terça-feira, 1 de agosto de 2017

BALANÇO MUSICAL - Julho de 2017


Olá! Seja bem-vindo ao meu projeto Balanço Musical, uma coluna mensal na qual falo sobre música, o que escutei no mês que se passou, o porquê das escolhas, o que me influenciou nesses dias, e publico uma playlist com uma faixa referente a cada dia do período. O objetivo não é nada além de escrever um pouco mais sobre música no blog, apresentar algumas coisas diferentes e dar às pessoas a oportunidade de conhecer novos artistas e canções. As postagens são publicadas sempre no primeiro dia útil de cada mês, o que pode ou não coincidir com o dia 1º.

Se há uma palavra para definir julho quando o assunto é música, essa sem dúvida é "desequilibrado". Por um lado, nesse mês, segundo o last.fm, eu bati meu recorde de faixas ouvidas em um dia (94 em 02/07). Por outro, no entanto, não foram poucos os dias em que não escutei quase nada, com quatro deles sem uma canção executada sequer. É engraçado (e cruel) como a vida pode te ocupar ao ponto de simplesmente te impedir de fazer uma das coisas que mais gosta, com as obrigações cotidianas tomando seu tempo por completo com uma série de tarefas com as quais você não tem o menor apreço, ou simplesmente não se importa.

Essa inconsistência não me impediu de fazer interessantes descobertas, porém. Alguns bons álbuns lançados nesse ano chegaram aos meus ouvidos, como o excelente Hydrograd do Stone Sour, o alternativo In Spades do Afghan Wighs (que apareceu no primeiro Balanço Musical com um de seus mais clássicos registros), os dançantes Everything Now do Arcade Fire e After Laughter do Paramore, e o sempre certeiro Mr. Big fechando o mês com seu novo disco Defying Gravity. Vale o destaque também para o ótimo Metal Resistance do Babymetal, o mais recente das garotas japonesas que abalaram as estruturas do Metal tradicional, e McCartney II, um dos CDs mais mal-compreendidos do lendário Paul McCartney, repleto de experimentações para a época e recheado de pérolas como Coming Up e Temporary Secretary.

Mas não há muito mais a se acrescentar. O resto do mês foi pautado pela audição de algumas marcantes trilhas sonoras, como a do excelente Em Ritmo de Fuga e a de Homem-Aranha: De Volta ao Lar, assim como a dos dois Trainspotting, que tive a coragem de finalmente assistir. Também foi o momento em que ouvi diversas playlists, seja algumas das minhas antigas ou outras feitas por usuários do Spotify, em sua maioria dedicadas a músicas da década de 1980 (e também uma exclusivamente sobre Depeche Mode). Então, embora este não tenha sido meu período mais dedicado, não dá para negar que houve uma boa variedade.

Confira a playlist de julho de 2017:

Nenhum comentário:

Postar um comentário